Sobrou até para São Miguel: racismo explícito na medalha

Não é qualquer um que esmaga a cabeça do príncipe das trevas sob seus pés, numa representação clássica do Bem vencendo o Mal.

A representação figura na Ordem de São Miguel e São Jorge, uma honraria dada, quando foi criada, a militares britânicos no Mediterrâneo. 

Daí os dois santos guerreiros. Com o tempo, passou a contemplar embaixadores e personalidades com atuação no exterior.

A atriz Angelina Jolie foi uma delas, por sua campanha algo ambiciosa de acabar com o estupro como arma de guerra. O nobre objetivo ainda não foi alcançado, infelizmente.

O revisionismo histórico que grassa nos Estados Unidos e na Inglaterra chegou rapidamente a São Miguel. 

Continua após a publicidade

Um branco (o arcanjo) pisando num negro (o coisa ruim) evoca a estremecedora cena de George Floyd sendo sufocado sob o joelho do policial Derek Chauvin.

Atenção: o Satã negro já havia sido substituído em 2011 por um mais claro, mas não atendeu o surto politicamente correto.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação

Clique e Assine

O governador-geral da Jamaica, um posto honorífico para marcar sua integração na Comunidade das Nações (o império britânico depois de deixar de ser império), já tinha tomado a posição pública de não usar mais a honraria, recebida em 2009 na tradicional cerimônia em que a rainha Elizabeth tocou seu ombro com uma espada.

“Atendendo a manifestações de preocupação de cidadãos com a imagem na medalha e a rejeição global ao uso de objetos que normalizem a degradação de pessoas de cor”, justificou Patrick Allen.

Adianta dizer que é o maligno príncipe das trevas, não uma pessoa?

Continua após a publicidade

Claro que não. Michael Palin, o ex-Monthy Python, o legendário e iconoclasta grupo de humoristas, recebeu a versão nova e embranquecida da condecoração, mas só de saber como era a encarnação anterior já a torna “imprópria e ofensiva”, avisou.

Dezesseis mil pessoas apoiaram um abaixo-assinado pedindo que a medalha seja “redesenhada”.

São Miguel Arcanjo é tradicionalmente representado como um alado santo guerreiro, de espada na mão para vencer Satã. Este aparece como um ser animalesco ou com formas humanas com asas de dragão e rabo. 

Se for totalmente eliminado, vai sobrar apenas São Jorge, o padroeiro da Inglaterra que apareceu na outra face da medalha, matando o dragão, outra situação complexa nos dias atuais.

Disse famosamente Winston Churchill sob o viés esquerdista da tradicional rede pública de rádio e televisão:

Continua após a publicidade

“Se a BBC cobrisse a luta de São Jorge com o dragão, torceria pelo dragão”.

A polêmica da medalha, criada em 1818 pelo rei George IV (um dia, o filho de William e Kate será outro rei com este nome) coincidiu com os novos planos do príncipe Harry e sua mulher, Meghan, de construírem uma carreira de celebridades antenadas com questões contemporâneas.

“O racismo institucional não tem lugar na nossa sociedade e, no entanto, é endêmico”, disse o príncipe numa premiação à distância.

O furor despertado nos Estados Unidos pela morte brutal de Floyd e ampliado para estátuas e instituições com nomes de “racistas” tem um equivalente igual, inclusive nos precedentes, na Inglaterra.

Se há católicos que se exasperam com a “modernização” da Igreja defendida pelo papa Francisco, deveriam encontrar consolo na Igreja Anglicana.

Continua após a publicidade

Exatamente igual à fé católica, exceto pela ruptura com o papa, com a vida monacal e com o celibato, a Igreja Anglicana segue o catecismo politicamente correto ao ponto da loucura.

Disse no começo de junho o arcebispo da Cantuária, Justin Welby, que estátuas e monumentos na sublime catedral gótica de Westminster, uma das tantas igrejas tomadas aos católicos quando Henrique VIII rompeu com Roma, está passando por uma revisão completa.

“Algumas terão que ser tiradas”, antecipou.

E é claro que a igreja, já no apagar das luzes por falta de fiéis, tem que “reconsiderar” a representação de Jesus como um homem branco.

São Miguel, arcanjo de uma hierarquia tão superior que só tem dois iguais, Gabriel e Rafael, vai ficar sem ninguém para vencer apoteoticamente?

Continua após a publicidade

Santo de devoção popular, o arcanjo é o “poderosíssimo príncipe dos exércitos do Senhor”, “guia e consolador do povo israelita”,  “esplendor e fortaleza da Igreja Militante” e “guardião do paraíso”. Entre outras qualidades.

Não é por uma mudança de medalha que vai se abalar. E ainda tem Angelina Jolie para chorar as pitangas.

Fonte:
https://veja.abril.com.br/blog/mundialista/sobrou-ate-para-sao-miguel-racismo-explicito-na-medalha/