Grupos de carne bovina dos EUA expressam preocupação com a produção brasileira | Brazil Modal

Dois grandes grupos de produtores de carne bovina dos EUA se manifestaram contra a reintrodução da carne bovina brasileira no mercado.

Anunciada no mês passado (fevereiro de 2020), a suspensão das exportações brasileiras de carne bovina fresca para os EUA foi suspensa pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) após 20 meses. O produto havia sido banido dos EUA por questões de segurança alimentar e saúde animal.

O USDA e o Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar (FSIS) realizaram auditorias dos sistemas de inspeção do Brasil para abate e produção de carne bovina, e os consideraram satisfatórios, permitindo assim a retomada das importações do país.

Essa decisão levou grupos de produção de carne bovina dos EUA a expressarem suas preocupações com a segurança da carne bovina brasileira.

O diretor sênior de comércio internacional e acesso ao mercado da National Cattlemen’s Beef Association (NCBA), Kent Bacus, disse que monitoraria os produtos que entram no país.

“O NCBA questionou frequentemente a falta de evidências científicas usadas para justificar o acesso inicial do Brasil ao mercado dos EUA em 2016 e, infelizmente, não ficamos surpresos quando o Brasil perdeu o acesso à carne bovina aos EUA em 2017 devido a inúmeras violações da segurança alimentar. A NCBA elogiou o Secretário Perdue por defender o comércio baseado na ciência e responsabilizar o Brasil por suas inúmeras violações, suspendendo o acesso do Brasil e sujeitando o Brasil a passar por um processo de inspeção e auditoria baseado na ciência. É evidente que o USDA acredita que o Brasil tratou das preocupações levantadas no processo de auditoria, e em breve serão tomadas medidas para restaurar o acesso do Brasil aos Estados Unidos.”

“Dada a história brasileira de febre aftosa e seu histórico de violações repetidas à segurança de alimentos nos portos de entrada, você pode ter certeza de que a NCBA manterá o foco em todos os desenvolvimentos no Brasil e esperamos que nada menos que o mais alto nível de escrutínio do USDA. Se o Brasil continuar a ter problemas de segurança alimentar ou de saúde animal, esperamos que o governo dos EUA, incluindo Capitol Hill, tome todas as medidas necessárias e imediatas para proteger os consumidores e os produtores de carne bovina dos EUA “.

Bacus acrescentou que esse desenvolvimento confundiria ainda mais a rotulagem do produto.

“A reentrada da carne bovina brasileira no mercado dos EUA só agrava ainda mais as preocupações com o uso dos rótulos “Produto dos EUA” na carne vendida nos Estados Unidos”, afirmou ele. “Como líder confiável e voz definitiva da carne bovina dos EUA.

Essa decisão levou grupos de produção de carne bovina dos EUA a expressarem suas preocupações com a segurança da carne bovina brasileira.

O diretor sênior de comércio internacional e acesso ao mercado da National Cattlemen’s Beef Association (NCBA), Kent Bacus, disse que monitoraria os produtos que entram no país.

“O NCBA questionou frequentemente a falta de evidências científicas usadas para justificar o acesso inicial do Brasil ao mercado dos EUA em 2016 e, infelizmente, não ficamos surpresos quando o Brasil perdeu o acesso à carne bovina aos EUA em 2017 devido a inúmeras violações da segurança alimentar. A NCBA elogiou o Secretário Perdue por defender o comércio baseado na ciência e responsabilizar o Brasil por suas inúmeras violações, suspendendo o acesso do Brasil e sujeitando o Brasil a passar por um processo de inspeção e auditoria baseado na ciência. É evidente que o USDA acredita que o Brasil tratou das preocupações levantadas no processo de auditoria, e em breve serão tomadas medidas para restaurar o acesso do Brasil aos Estados Unidos.

“Dada a história brasileira de febre aftosa e seu histórico de violações repetidas à segurança de alimentos nos portos de entrada, você pode ter certeza de que a NCBA manterá o foco em todos os desenvolvimentos no Brasil e esperamos que nada menos que o mais alto nível de escrutínio do USDA e dos costumes. Se o Brasil continuar a ter problemas de segurança alimentar ou de saúde animal, esperamos que o governo dos EUA, incluindo Capitol Hill, tome todas as medidas necessárias e imediatas para proteger os consumidores e os produtores de carne bovina dos EUA “.

Bacus acrescentou que esse desenvolvimento confundiria ainda mais a rotulagem do produto.

“A reentrada da carne bovina brasileira no mercado dos EUA só agrava ainda mais as preocupações com o uso dos rótulos” Produto dos EUA “na carne vendida nos Estados Unidos”, afirmou ele.

“Como líder de confiança e voz definitiva da indústria de carne bovina dos EUA, a NCBA continuará liderando conversas com o USDA e toda a cadeia de suprimentos para abordar quaisquer rótulos que possam permitir que a carne importada carregue o rótulo“ Produto dos EUA ”. A NCBA acredita que rótulos de origem voluntária com reivindicações de fontes verificadas fornecerão transparência na rotulagem sem violar nossas obrigações comerciais internacionais. ”

A Associação dos Pecuaristas dos Estados Unidos (USCA) acrescentou sua voz ao debate. O presidente Brooke Miller disse que o grupo ficou “surpreso” com a decisão.

“O USCA está surpreso com a recente decisão de arriscar a saúde de nosso rebanho doméstico e comprometer a segurança dos consumidores, permitindo a importação de carne fresca do Brasil. Soamos o alarme das práticas pavorosas do Brasil em 2017, depois que quase 850 mil quilos de carne bovina brasileira foram rejeitadas pelo Serviço de Inspeção e Segurança de Alimentos (FSIS) do USDA devido a ‘preocupações com a saúde pública, condições sanitárias e problemas de saúde animal’.

“Continuamos preocupados com o produto de carne bovina que o Brasil exporta para o nosso país e rejeitamos a conclusão de que os padrões de segurança e produção alimentar do país são equivalentes à indústria de carne bovina dos EUA”.

Além dos grupos de produtores, os senadores americanos de ambas as partes assinaram uma carta enviada ao secretário do USDA, Sonny Perdue, expressando suas preocupações. Na carta, eles perguntaram sobre o monitoramento futuro da produção brasileira, o fato de que oito dos 28 locais relevantes no Brasil foram auditados pelo FSIS e o potencial para implementação de futuras auditorias.

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint

Fonte:
http://brazilmodal.com.br/2015/highlights/grupos-de-carne-bovina-dos-eua-expressam-preocupacao-com-a-producao-brasileira/